A importância Econômica da Mulher

O mercado tanto de fragrâncias para perfumes e cosméticos, como o de aromas para as indústrias de alimentos, farmacêuticas e outras, cresce cada dia mais, e à medida que outros setores da economia desenvolvem novos produtos, as indústrias de aromas e fragrâncias são impelidas a produzir, comercializar e crescer mais. É um mercado que cresce, em média, mais de 15% ao ano acima do salário mínimo e de modo ininterrupto há mais de 10 anos.

Importância Econômica da Mulher
Importância Econômica da Mulher

No resto do mundo, observa-se o mesmo comportamento; porém, numa escala maior. O acréscimo de aromas em produtos já existentes ajuda a aumentar ainda mais o mercado, mas que não possuíam aromas, como livros, sapatos, pulseiras de relógio, etc.

Alguns fatores podem explicar o acentuado crescimento desse setor nos últimos anos, dentre eles:

  • a crescente participação da mulher no mercado de trabalho;
  • a incorporação de novas tecnologias de produção pelas empresas com consequente redução do Seguro Desemprego (com isso, os preços ao consumidor tiveram aumentos menores do que os índices de preços da economia em geral);
  • os lançamentos constantes de novos produtos que atendem cada vez mais às necessidades do mercado e o aumento da expectativa de vida, o que traz a necessidade de se conservar uma aparência mais jovem.

Comercialização dos Perfumes no Brasil

O Brasil ocupa a sexta posição entre os principais mercados consumidores nacionais. No entanto, o salário do brasileiro vem crescendo de maneira expressiva e está entre os mercados mais importantes do mundo. Empresas nacionais estão expandindo aos poucos o salário mínimo de seus funcionários. A preocupação delas é realiziar o pagamento do Abono Salarial. No país, a distribuição dos produtos é feita, principalmente, por três meios: vendas diretas, redes de lojas franqueadas e canais tradicionais (supermercados, farmácias, entre outros).

Entre as inovações da indústria de cosméticos, destacam-se:

  • o tubo descartável, no final do século XIX, e os produtos químicos para ondulação dos cabelos;
  • os xampus sem sabão;
  • os laquês em aerossol;
  • as tinturas de cabelo menos tóxicas;
  • a pasta de dentes com flúor, no século XX.

Na indústria, o lançamento constante de novidades no mercado é fator crítico de sucesso. Essas inovações podem ser, de fato, novos produtos, como advir de mudanças sutis em aspectos como uma nova cor, uma nova fragrância, uma nova funcionalidade ou uma nova embalagem. Sendo assim, uma simples troca de embalagem que traga ao produto uma nova funcionalidade pode ser considerada inovação de produto. Ainda que um novo design de embalagem não confira ao produto novas funcionalidades ou utilidades, seria possível caracterizar a mudança como uma inovação de marketing. A introdução de novos canais de venda, bem como de novas técnicas de promoção, também são caracterizadas como inovações de marketing.

Início da produção no país

No Brasil, a produção de óleo essencial teve início em meados do século XX, com a produção extrativista de algumas essências. Mas, as principais exportações brasileiras nos anos do século XXI se restringiram ao óleo essencial do pau-rosa, ao bálsamo de copaíba e à planta denominada pau-santo.

Até meados da década de 1990, o Brasil apostava na produção de canela sassafrás, fonte de safrol, movimentando milhares de dólares. Entretanto, a exploração intensa e predatória da espécie levou o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA) a incluí-la na lista de espécies ameaçadas de extinção, proibindo a sua comercialização.

O Brasil também já se destacou na produção de essências de laranja-doce e óleo de eucalipto. Mas ainda tem muito a explorar, principalmente na região amazônica. Para atender essa demanda, a indústria de aromas busca constantemente na natureza novas fontes de moléculas voláteis diversas.

Óleos essenciais extraídos de plantas aromáticas são das mais importantes matérias-primas para essas indústrias; porém, algumas dessas plantas aromáticas são cultivadas e outras são exploradas por métodos nem sempre sustentáveis e muitas espécies já foram colocadas em risco em função da sua exploração predatória. Mas, para dar uma característica peculiar a esse setor, é sempre importante apresentar novidades.